Sexta, 17 de Novembro de 2017
Fátima do Sul
Prefeitura faz recapeamento em cemitério sem necessidade e deixa ruas esburacadas
Recapeamento em Cemitério Municipal da cidade gerou uma série de questionamentos na rede social Facebook.

Funcionários de empreiteira Douradense trabalharam no recapeamento do Cemitério Municipal (Foto: Reprodução / Facebook)
Buracos são encontrados em diversas ruas do município (Foto: Whats App / SiligaNews)
A prefeitura de Fátima do Sul, através da secretária de obras do município realizou esta semana o recapeamento interno do cemitério municipal da cidade, o que para muitos moradores foi o correto, mas já para outros, a necessidade seria tapar os buracos existentes nas ruas da cidade.

A polêmica em torno do cemitério municipal da cidade vem desde o inicio do mês de outubro, quando a prefeitura proibiu a entrada de veículos no local, seja para carga ou descarga de materiais de construção, gerando revolta a muitos moradores.

Ontem, quarta-feira (25) moradores usaram as redes sociais, para reclamarem da atitude da Prefeita Ilda Machado (PR). Segundo alguns moradores no município existem outras prioridades, e que o recapeamento no cemitério não seria necessário, haja vista que o asfalto existente no interior do cemitério estaria em perfeitas condições, pois o fluxo de veículo no local seria mínimo, e depois da proibição por parte da prefeitura, não haveria mais transito no local.

Outro morador disse que o local precisaria apenas de uma limpeza adequada - "poderia se usar um caminhão pipa e lavar o local para retirada da terra e sujeira existente no asfalto, e realizar um planejamento para que durante as chuvas a terra não fosse levada para o cemitério" - comentou o morador.

As criticas continuaram, outra moradora usou sua página pessoal no Facebook e escreveu - "não tem médico nem remédios e arrumando o cemitério olha ai a intenção e usar o cemitério depois de pronto se tiverem médicos e remédios não terá defunto".

Teve aqueles que até brincaram - "vão colocar lombada eletrônica também".

Segundo moradores, dinheiro usado para recapear cemitério poderia ter sido usado para operação tapa buracos (Foto: Whats App / SiligaNews)
As reclamações e criticas não ficaram somente em torno do cemitério municipal, moradores aproveitaram o momento e questionaram sobre falta de médicos e remédios na cidade. Uma moradora escreveu - "já tem três meses que estou esperando uma consulta no pan com o ortopedista porque o papo era que saúde era prioridade, mas acho que optaram pela morte".

Após as duras reclamações, a prefeitura emitiu nota através de sua assessoria comentando sobre o cemitério municipal e a falta remédios.

De acordo com a nota, a execução de serviços no cemitério é necessária, pois, além de respeito aos entes queridos que lá foram sepultados, também, em respeito às Famílias, pois, lá é um local de visitação pública. Razão pela qual foi executada a reforma da Capela Mortuária, reforma dos banheiros, do pavimento asfáltico que tanto criticam e a limpeza que vem sendo executada em todo o cemitério.

Em relação às reclamações na área da saúde, a prefeitura informou através da nota que a lista de Medicamentos da Farmácia Básica, conta com um número de 160 tipos de medicamentos pactuados, sendo que, dessa lista, no estoque há 152 tipos.

Em nota ainda, a prefeitura destaca que a atual administração melhorou sobremaneira o atendimento com as especialidades médicas, nas áreas de pediatria - atendendo 03 vezes por semana, sendo um dia por semana no distrito de Culturama; Cardiologia - com dois profissionais atendendo a população e Ginecologia.

Para finalizar, a prefeitura relatou que no Hospital da Sias estão sendo realizados os atendimentos de cirurgia geral, urologia, vascular, neurologia e gastro.

Moradores de algumas regiões da cidade estão usando terra e entulhos para tapar buracos (Foto: Whats App / SiligaNews)


facebook googleplus pinterest twitter